Recomendações do dia


E cá estou de novo ^~^

Foi divertido ir à festa de anos da minha amiga ontem e rever colegas antigos que já não via há algum tempo - e ainda consegui de alguma forma ganhar um jogo de cartas. Mas a melhor parte foi mesmo a quantidade de doces e o bolo de aniversário, e o facto de a minha amiga ter notado que eu não me sentia muito à vontade a falar de certas coisas com tanta gente, tendo-me convidado para voltar lá em breve e por a conversa em dia :)

Artigo do dia: [www]
Juntamente com o trailer e informações sobre a sétima temporada de Voltron - Defensor lendário, foi anunciado que [spoilers de voltron s7 - selecione o espaço branco em frente para ver] o Shiro gosta de homens e estava noivo de Adam, outro dos melhores pilotos de Garrison, embora tenham determinado devido a complicações envolvendo riscos de vida para o Shiro [fim dos spoilers]. O artigo diz isso mesmo, e destaca como tê-lo como representatividade canon lgbt+ é um feito enorme. Normalmente, representatividade lgbt+ é como esmolas: encontra-se em personagens secundárias, com uma história pouco rica centrada apenas na sua sexualidade ou género, e cheia de estereótipos. Nenhuma dessas coisas seria um problema em si - o problema é a frequência com que é assim. Mas em Voltron? Em Voltron a personagem lgbt+ (e tudo indica que teremos mais, fora a personagem secundária que estava envolvida com essa) é uma das principais, tem um arco EXTREMAMENTE aprofundado e relevante para o enredo, não é nenhum flamboyant gay (de novo, isso não teria problema, mas já está um bocado batido e pessoas diferentes também merecem ser representadas) e ainda serve para representar pessoas lgbt+ que intersectam com várias outras identidades. Afinal, ele também é [spoiler porque as caraterísticas podem denunciar logo quem é - selecionem o branco] um soldado/paladino/piloto de voltron (aliás, o líder), tem ptsd, tinha uma doença terminal, é asiático e perdeu um braço [fim do spoiler]. Eu costumo conseguir apontar pequenos defeitos a quase todos os tipos de representatividade, contudo, desta vez, não estou a conseguir pensar em NADA e estou radiante por isso :3

Vídeo do dia: [www]
Hoje é dia de recomendações pouco educativas >.< Esse vídeo é apenas de uma cover de Lynnea M. da música Lovely, originalmente por Billie Ellish. Mas eu fiquei rendida à voz dela - a música original já é bonita e tem tons que parecem muito difíceis de fazer, mas a cantora da cover conseguiu-os todos na perfeição e diria até que o resultado é parecido com o original. Além disso, ela é negra e portanto penso que pessoas negras fiquem contentes pela representatividade ;) E pelos vistos o canal até é conhecido, os vídeos têm bastantes gostos e tudo. Não é de admirar.

Artista do dia: [www]
A página about está em japonês, portanto sou incapaz de dizer como é que a pessoa se chama - mas vou chamar-lhe de Runta, porque é o que está escrito na url >.< Então... a arte dessa pessoa é muito detalhada em termos de número de elementos e da quantidade de padrões e acessórios que as roupas das personagens usam, porém... o número de detalhes no desenho nem se compara ao número de detalhes na pintura. Ok, eu não sei como descrever. Mas é uma coisa mesmo LOUCA, ela desenha sombras onde não era suposto existir nenhuma ou era suposto a sombra ser suave, sombras em azul ou rosa choque que às vezes nem permitem saber qual seria a cor original do elemento, os contornos são quase inexistentes, a pintura do rosto contrasta pela sua simplicidade e quase total ausência de sombras, os próprios olhos têm pelo menos umas 5 cores à vontade... deve dar um trabalhão fazer cada pequena coisa, daí ser surpreendente o quão grande a galeria é. Cliquem no link, só vendo para perceber.

O próximo post será o guia inclusivo para um estilo de vida zero waste, e vai dar tanto trabalho que vou ter de começar a escrever amanhã se quero ter alguma hipótese de o publicar no domingo...
Comentar com: ou

Sem comentários: